Preview: o novo “Crazy Taxy” não é tão louco assim

Hayden Dingman, PCWorld EUA
17 de março de 2014 às 07h00
Com missões limitadas, caminhos travados e os incômodos típicos de um jogo “free to play”, jogo só tem o visual e a trilha sonora em comum com o original.

O e-mail veio de um dos assessores de imprensa da Sega: “Posso te dizer que o jogo em questão é um novo título na série Crazy Taxi”. Meu coração disparou. “All I Want”, do The Offspring, começou a reverberar em minha cabeça. Minhas mãos começaram a suar.

E aí eu li a linha seguinte. “Este será o primeiro Crazy Taxi construído do zero para dispositivos móveis”. Ai, ai...

Taxi calminho

Pois é, Crazy Taxi: City Rush, a próxima versão da icônica série Crazy Taxi, é um jogo exclusivo para dispositivos móveis. E o preview que eu joguei não era lá muito animador.

Certamente é passável, considerando os jogos para dispositivos móveis. Mas se você se interessou nesse jogo só porque ele tem Crazy Taxi no nome, certamente ficará desapontado. Micro-transações? Tem. Medidor de energia? Está lá. Um sistema de controle simplório, que não requer prática nem tampouco habilidade? Sim senhor!

Vamos começar pelo último ponto: Crazy Taxi é um título bastante descritivo, já que o objetivo é dirigir um táxi como um louco. No original as ruas de “San Francisco” são apenas rotas sugeridas, e você pode cortar caminho por parques, calçadas e até saltar sobre caminhões enquanto procura corridas.

CrazyTaxi_CityRide_Salto-580px
Saltar sobre caminhões é uma tradição na série

Quando você abre City Rush o jogo imediatalmente evoca nostalgia. Ele certamente se parece com Crazy Taxi, com cores brilhantes, um estilo de arte cartunesco e uma enorme seta verde indicando a próxima parada. Mas é aí que as semelhanças terminam.

Eles tiraram a loucura de Crazy Taxi. Você tem um conjunto de controles muito limitado: ao começar a partida seu táxi acelera automaticamente, e continua acelerando até atingir a velocidade máxima. Você não tem controle nenhum sobre a velocidade. Não há um acelerador, nem mesmo um pedal de freio. Mas isso não importa porque o carro está amarrado a um caminho fixo, um “trilho”.

Na verdade uma série de trilhos, já que cada pista na rua é um deles. Deslize o dedo sobre a tela, da esquerda para a direita ou vice-versa, para trocar de pista. Segure o dedo sobre o lado esquerdo ou direito da tela para virar. Deslize o dedo de baixo para cima da tela para fazer uma curva em U que parece desafiar a física.

CrazyTaxi_CityRide_Curva-580px
Faça curvas fechadas com apenas um gesto sobre a tela

Quando você chega ao local de uma corrida, o ícone de um pedal de freio aparece no meio da tela. Toque freneticamente nele para parar, e se fizer isso rapidamente, ganha um bônus.

Esses são todos os controles. A Sega pode falar o quanto quiser sobre “direção frenética” nesse jogo, mas pra mim parece que alguém colocou as texturas e modelos de Crazy Taxi em Temple Run. Exceto pelo fato de que, em vez de um jogo de corrida infinita onde você começa do zero se errar, Crazy Taxi é um jogo baseado em tempo onde é praticamente impossível perder.

A seta verde diz para virar à esquerda, você toca no lado esquerdo da tela. A seta diz para virar à direita, você toca no lado direito. Consegue fazer isso? Então meus parabéns, você é um vencedor em Crazy Taxi: City Rush.

Os caminhos são tão restritos que se você der um salto logo antes de uma curva e houver uma parede contra a qual, em qualquer jogo normal, você iria colidir, seu carro literalmente vira no ar sozinho para fazer a curva. É frustrante.

Cuidado com o bolso

Além disso há todos os incômodos dos jogos “free to play” que te impedem de realmente curtir uma partida. O jogo não é aberto como o original, e você não pode digirir por aí escolhendo corridas à esmo. Em vez disso você seleciona missões específicas em um mapa, cada uma com corridas e locais pré-definidos.

Obviamente seu carro precisa de “gasolina”, que na verdade é um medidor de energia que governa quantas missões você pode jogar por dia. Claro, se você precisar pode comprar mais gasolina com dinheiro de verdade. O jogo pelo menos permite que você jogue um modo separado mesmo depois que a gasolina acabar, mas você não será capaz de avançar na campanha principal a não ser que consiga mais energia.

As micro-transações são basicamente itens cosméticos. A maioria dos itens pode ser adquirida com as moedas que são coletadas dentro das missões, mas há vários itens “premium” que só podem ser adquiridos com diamantes, que são mais difíceis de conseguir. Você pode comprá-los ou ganhá-los ao realizar determinadas tarefas dentro do jogo, como conseguir uma certa conquista. Na versão que joguei tínhamos dinheiro quase ilimitado, então coloquei um disco voador no capô de meu táxi e o pintei de preto só por diversão. 

CrazyTaxi_CityRide_Uptown-580px

Os gráficos são brilhantes e coloridos, com um traço mais "cartoon" em relação ao original

Também há diferentes cenários para completar. Por exemplo, você pode jogar como o Quarterback de uma equipe de futebol americano que dirige pela cidade pegando líderes de torcida. E há um modo onde você dirige um tanque e esmaga carros. Mas esses modos não tem nada a ver com “Taxi”. No resto do jogo, você faz missões genéricas baseadas em corridas.

O jogo tem quatro mapas: Downtown (cidade baixa), Uptown (cidade alta), Beach (praia) e Hills (colinas). Só jogamos o mapa Downtown, que se parece com o Crazy Taxy “clássico” com os bondinhos, morros e afins. 

Se há um recurso que redime o jogo, é a trilha sonora. O Crazy Taxi original tinha músicas de bandas como Offspring e Bad Religion, e estava no mesmo nível da série Tony Hawk em termos de qualidade. Não sei quais são as bandas dessa vez, mas elas conseguem capturar o mesmo espírito do jogo original. E se você quiser ouvir mais Offspring e Bad Religion? Pode usar as músicas de seu próprio aparelho como trilha sonora.

Me desculpem, mas este não é o Crazy Taxi que eu queria. Me sinto mal em fazer todas estas críticas, e o jogo não comete nenhum pecado que já não tenhamos visto antes. De fato, já vimos muito pior de alguns jogos para smartphones. Mas depois do fiasco de Dungeon Keeper e de ouvir que o próximo Tony Hawk também será um jogo para dispositivos móveis? Não posso mais aguentar.

Crazy Taxi: City Rush será lançado para iOS e Android “em breve”, e será gratuito. Prefiro gastar US$ 5 só uma vez e jogar o jogo original.

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

Mais reviews

iPhone 5

iPhone 5

  • Nota da Macworld
  • Nota do Leitor
  • 6.0

Melhora o que já era bom, com tela maior, chip mais rápido e design menor.

Mudança para o Lightning é desagradável no início; novo chip nano SIM também obriga nova compra ou adaptação; falta de suporte 4G no Brasil (por enquanto)

iPad Mini

iPad Mini

  • Nota da Macworld
  • Nota do Leitor
  • 3.9

Maior parte da experiência do iPad em pacote mais leve e fino; suporte nativo para todos os apps do iPad; ótimo desempenho, construção e design

Não possui tela Retina; alguns sites e apps parecem "apertados" na tela menor; teclado em modo paisagem é muito pequeno para uma digitação fácil